#69 – Batman e Filho

“Pai. Eu imaginei você mais alto.”

Oi!
A obra de hoje é bastante polêmica, como não poderia deixar de ser – basta lembrarmos que é de autoria de Grant Morrison. A arte é de Andy Kubert. Foi publicada numa edição de luxo pela Panini ano passado, pena que eu ainda não comprei. Espero que vocês gostem do meu texto 😉 Quem me acompanha na página do blog sabe que esse fim de semestre está sendo uma loucura (tô escrevendo esse texto de madrugada) mas por sorte logo chegam as férias e eu vou poder me dedicar bem mais ao blog!

Para melhor entendimento, recomendo que vocês tenham lido a seguinte trilogia:

Line

001A história começa de uma forma bem particular: crianças suspensas por um dirigível pintado de palhaço ouvem Coringa gritando “O Comissário foi envenenado pelo Coringa! Consegui! Até que enfim matei o Batman! Em frente a um monte de crianças deficientes e vulneráveis!” E o palhaço segura o corpo morto, inerte e ensanguentado de Batman. Será o fim do Cavaleiro das Trevas? Ora, claro que não. Estamos falando do goddamn Batman. Batman totalmente vivo toma a arma de Coringa e dá um tiro no meio da carinha do palhaço. “Oh, o Batman matou alguém!” Repetindo: claro que não. Coringa está vivo (infelizmente). Uma deixa para que Bruce delicadamente jogue Coringa desacordado em uma lixeira. Delicado como sempre.
002As crianças saíram ilesas, Gordon nem tanto. Coringa aplicou aquela toxina tão conhecida por nós – a que provoca contrações musculares e forma um sorriso duradouro, e o faz achar graça e tudo, até em tragédias. Ao visitá-lo no hospital, Batman conta que quem atirara em Coringa era um outro cara vestido de Batman, e não ele.
Seguindo um conselho de Gordon e depois de Alfred, Batman decide tirar um tempo para si, para reaprender a ser Bruce Wayne. Deixará Tim cuidando das coisas. Ele está fazendo um ótimo trabalho.
004Aparece Talia, que está aprontando mais uma das suas brincadeirinhas habituais – tentando obter uma informação enquanto chantageia e tortura um doutor. Mas nessa cena o chama atenção é a conversa que ela tem com uma criança. Eles afirmam que o jato particular de alguém foi encontrado. E ela profetiza: “O passado finalmente alcançou você, meu querido detetive”.
Batman precisa desistir de sua viagem porque há algo muito suspeito com Robert Langstrom, o inventor do soro do Morcego Humano – o objeto do qual Talia está atrás. Ela o observa em uma festa em que Bruce está cumprindo seu papel de playboy bilionário fútil. Talia está com uma criança. Pede que a criança observe os trejeitos e o diga quem é.
“Aquele é meu pai. O que vamos fazer agora, mamãe?”

003E o que eles vão fazer fica muito claro: atacar o museu em que Batman está com os Morcegos Humanos criados com o soro obtido através da ameaça a Robert Langstrom. O Morcego Humano é um vilão um pouco desconhecido de Batman. Kirk Langstrom, um especialista em morcegos, criou uma fórmula que conferia a ele poderes de audição e visão de morcegos, além de transformar a aparência. Ele não é de todo uma pessoa ruim, às vezes até ajuda no combate ao crime, mas na maioria das vezes usa essas características monstruosas para tocar o terror na cidade. E bem, como se um Morcego Humano não fosse bastante ruim, temos vários Morcegos Humanos. E como se isso não fosse o ápice de uma escala de “temos problemas”… São Morcegos Humanos ninjas. Great! O Batman nem queria relaxar mesmo. E lá está ele para salvar o dia (a noite, na verdade) novamente. E começa a fazer o que ele faz de melhor: bater em quem ouse tirar a paz de SUA cidade.

Morcegos Humanos

Seus novos bichinhos de estimação.

005Sensacional a arte durante essa luta. É um museu com referências Pop, com elementos coloridos e vibrantes que parecem alheios e deslocados à briga severa que está acontecendo ali. Existem MUITOS deles. São pelo menos 30 Morcegos-Humanos. E são muito maiores que Batman. Mesmo Batman sucumbe às vezes. Ele é rendido e levado desacordado a um cais, onde quem o espera é a bela Talia.
O discurso dela nessa parte é particularmente interessante. Ela faz referência à noite que eles passaram na HQ “Filho do Demônio” (dê uma lida no texto, caso não se lembre). Ela menciona um garoto que tem sido treinado pela Liga dos Assassinos desde seu nascimento, mas que está perdendo o controle porque falta a ele disciplina e a mão de um grande homem para direcioná-lo. Agora era a hora de reverter isso, porque Talia tinha alguns planos – coisa simples, liberar um novo tipo de horror ao mundo – e deixará o garoto sob cuidados de Bruce.
Ele é Damian Wayne. O filho de Batman.
“Pai. Eu imaginei você mais alto.” Isso porque o Bruce tem pouco menos de 2m, né.

Damian

Divulga 02Batman o leva para a Batcaverna, onde ele simplesmente ignora qualquer coisa que o Batman o diga, tenta bater no próprio pai com um soco inglês, xinga tudo e todos, ameaça quebrar a cara de Tim Drake e manda Alfred se f%#@&. Um docinho de garoto. Essa presença conturbada estremece as relações entre Batman e Drake (também seu filho, adotado no arco “Cara a cara“). Damian foi treinado pela Liga dos Assassinos. Não teve carinho materno – “administrar um império do crime não deixa muito tempo para o afeto” -, é extremamente brutalizado e foi usado como uma arma de Talia contra Batman. Mas é seu filho.
006Falando no pequeno diabinho, ele está no seu quarto esperneando contra a injustiça de não poder ter um laptop pessoal. Batman, paciente, explica que ainda não é a hora adequada para isso, e pede que o filho se alimente. Damian fica feliz em estourar o prato de comida na parede, e começa a bradar aos quatro ventos sobre o quanto ele não obedecerá ordem alguma de Batman. Só que, novamente: estamos falando de Batman. E o Cavaleiro das Trevas, que não é nenhum cordeirinho, põe seus pulmões para funcionar e mostra pro garoto quem manda ali. E como o Damian não é burro, ele percebe na hora porque seu pai tem a fama que tem. Se no começo ele achou Batman “menor” do que esperava, aqui ele percebeu que o Morcego pode ter o dobro do tamanho quando quer. E sacou direitinho quem dava as cartas. Damian baixou a bola rapidinho. Cena interessante.

BatmanEFilho_003_012Os problemas estão se acumulando para Batman. Um vilão chamado Assombração, que estava causando problemas à cidade, foi brutalmente decapitado.
008Voltando a Mansão Wayne, Damian conseguiu escapar de seu quarto e é encontrado por Tim treinando. Ele se vangloria de ter falsificado a voz de Robin para conseguir acesso à Batcaverna – ele considera o sistema ineficiente e inseguro. Tanto que conseguiu sair. Foi ele que decapitou Assombração. Para provar ao seu pai que ele também pode lutar contra o crime… Com seus meios questionáveis.
009A cena de luta entre ele e Tim Drake é sensacional. Damian sente ressentimento e raiva por Robin ser filho adotivo de Batman, acha que Drake não merece o que tem. E quer matá-lo, para tornar-se herdeiro legítimo de tudo. Drake é mais alto e mais velho, de fato. Mas Damian foi treinado pela Liga dos Assassinos. Ele luta baixo, não tem o código de ética de todos os envolvidos com Batman. Ele deixa Drake sangrando. Ao chegar Batman libera Alfred de onde fora preso pelo seu problemático filho para que ele estanque as hemorragias de Robin. Coisa que eu estranhei foi Batman sendo tão “brando” com Damian nessa parte. Eu não esperava que ele fosse bater no garoto ou algo assim (e ficaria bem decepcionada se ele fizesse isso), mas esperava algumas palavras bem duras, um discurso muito sério e raivoso. Tudo que vi foi um “Ah, vai dar pra costurar o Drake? Menos mal. Damian, não faça mais isso, hein?” Mas Damian parece ter esse poder de abrandar a fúria de Batman.
Talia está aprontando algo muito sério, envolvendo os Morcegos Humanos e a base militar de Gibraltar. Batman leva Damian consigo para interromper os projetos megalomaníacos de destruição dela. O garoto parece ansioso para cooperar e ganhar a aprovação de seu pai. É interessante ver a conversa que eles travam no foguete supersônico de Batman. É uma conversa quase “normal”, de pai pra filho.
Batman e Damian logo confrontam Talia na costa de Gibraltar. Ela revela seus planos e dá opções ao Cavaleiro das Trevas. O que o destino reserva a essa família com uma configuração tão incomum? O que será deles, a partir dessas experiências tão incomuns?
Na sua leitura, você perceberá que a edição Batman 663 é diferente: é uma história em prosa, chamada “O Palhaço à Meia-Noite”. Trata-se de uma história “Elsewords” sobre Batman, Coringa e Arlequina. As ilustrações são em 3D, bem assustadoras (não leia antes de dormir, se quiser dormir uma noite inteira). Gosto bastante desse tipo de história de Batman, escrita. É bem diferente do que estamos acostumados, e bastante cativante.

Coringa

Ficar olhando essa imagem de madrugada não é legal.

010A edição de Batman & Filho também conta com um arco adicional, escrito por Grant Morrisson e desenhado por Andy Kubert. Um trecho interessante do começo é quando Bruce Wayne (na figura do playboy fútil) está se encontrando com uma moça que tenta conversar com ele sobre o trauma da morte dos seus pais, e ele manda um “Isso foi há muito tempo. Eu… já superei”. Ironia das ironias. Batman está resolvendo um caso sinistro na cidade: tem um homem drogando, espancando e estuprando prostitutas, a ponto de deixá-las destroçadas. Cenas muito chocantes, principalmente para mim… Ele começa a procurar nos lugares mais sujos da cidade. 012E se depara com um homem que parece o Bane, o dobro do tamanho de um homem normal, usando uma roupa com um Morcego no peito. Como o cara que atirou na cara do Coringa. Na verdade, ele usa um golpe até bem parecido com o de Bane: pisoteia a coluna de Batman quando ele está no chão (lembrando que o pé do cara é do tamanho da coluna vertebral inteira de Wayne). Mas Batman consegue sobreviver e agora precisa procurar o culpado. Com a ajuda de Drake e Alfred, ele precisará desvendar esse mistério quase sobrenatural, com prostitutas pintadas como palhaços, criminosos vestidos de Batman, gigantes movidos a testosterona, seitas religiosas e sacrifícios humanos.

E a última história é se passa num mundo alternativo (Elsewords), com um possível futuro para Damian, um Batman que mata e uma Oráculo que vira a Comissária Gordon. Novamente: coisas de Morisson. Na verdade, eu acho que a “Batman e Filho” deveria ter acabado no conflito em Gibraltar. Mas tanto nas edições americanas quanto na brasileira elas tem esse segundo arco complexo. E como eu tenho compromisso com o material original aqui no Batman Guide, resolvi trazer na íntegra tal qual ele é veiculado em todo o mundo.
Vocês já devem ter acompanhado aqui no Batman Guide que o Grant Morrisson tem um jeitinho bastante… Peculiar de fazer as coisas. Numa página Damian é apresentado a Batman e na outra ele já está entrando na Batcaverna. Batman parece ter lidado bastante bem com o fato de ter tido um filho. Talvez por alguma espécie de “amor” que nutria por Talia – mas ainda assim, estamos falando de Bruce Wayne, o maior detetive do mundo, aquele que suspeita de tudo. Entretanto, temos um Batman que colocou Damian dentro de sua casa, deu a ele um quarto e um acesso ao seu centro de treinamento – e batcomputadores. Uma concessão irrefreada de pai?
A arte de Andy Kubert é bastante preciosista, ocupada em detalhar e deixar detalhes ao longo do cenário que só podem ser observadas com uma análise mais demorada. Alguns painéis da arte remetem aos quadrinhos pop da atualidade. É um trabalho bastante interessante. Não meu preferido, mas bastante interessante.
Batman & Filho abre precedentes para uma enorme gama de histórias – mas isso não é necessariamente bom, já que Batman parece não estar em seu lugar natural. Um Batman com uma família, em ambientes familiares… Como o Cavaleiro das Trevas vai lidar com isso?
Damian soou extremamente irritante para mim, da primeira vez que li. Mas é um personagem que evolui bastante ao longo da saga, então por favor continuem aqui no Batman Guide para entender melhor a personalidade dele. Esse primeiro arco, essa introdução ao personagem, foi inegavelmente feita em “grande estilo”.

Boa leitura!
É só clicar na capa para fazer o download no 4shared, e abaixo da capa estão os links para download no Mega e no FileSwap.

Cover

Download no MEGA
Download no FileSwap

Anúncios

    • Oi Erus. Eu também fiquei meio chocada quando descobri o Damian. Mas as outras HQs vão mostrar um lado menos insuportável dele 😛
      Sim querido, vamos postar Injustice, só estou aguardando saírem todas as edições traduzidas para fazer o post de uma vez. Por enquanto está na #17 e ainda não acabou a série (pelo contrário, acabou de acontecer algo muito importante). Se você quiser ir adiantando a leitura, pode baixá-las lá no CoringaFiles, tem todas lá!

      Um beijo!

  1. oi :3
    Adorei o blog, ajudando demaiiiis!!
    Não to seguindo fielmente a ordem porque quero pegar a história mais linear (os robins, aliás, fale “da robin” kk) mas amando.

    queria saber se você só le o batman mesmo, ou já teve experiencia com, por exemplo, detective comics ou liga da justiça.
    Eu só to lendo o batman (weee) mas queria expandir os horizontes, Mulher maravilha seria uma boa kkk Superman eu acho meio zuado os antigos kkkk o lanterna, não gosto.. enfim

    Se você ler outras HQ, você podia fazer um post dizendo por onde começar (dar um norte kk)

    obrigada :*
    continue com o blog, amando muito.

    • E ai, Batata. (batata mesmo?)

      Antes de mais nada, acredito que as perguntas tenham sido para a Jéssica, mas ela está 120% enrolada com o fim de semestre (como deve ter visto no último post aqui do blog), e pediu desculpas pela demora de resposta. Eu me ofereci a responder.

      Obrigado pelo apreço ao nosso trabalho aqui, tentamos trazer tudo da melhor forma a vocês. Ela lê e entende dos títulos referentes ao morcego, como Batman, Asa Noturna, Batgirl e etc. Não sei se você está lendo os “Novos 52” ou se é o material pré-reboot, mas em todo caso, se você quer dar uma diversificada na leitura, Detective Comics não é bem a praia certa, pois é basicamente a mesma proposta das revistas “Batman”, “The Dark Knight”, “Batgirl”, “Batwoman” e dai vai. São tramas bem humanas e urbanas, não verá elementos tão diferentes entre elas.

      Lanterna Verde teve fases muito interessantes, mas realmente não tem nada de bom se a pessoa não curte tramas muito “alienigenas”. Mulher Maravilha… sinceramente não tem grandes atrativos. Superman depende MUITO do roteirista e desenhista. O mais indicado para uma “mudada de ar” é ler a “Liga da Justiça”, ou algum grande evento como “Crise Infinita”, “Crise Final” (postaremos em breve) ou “Noite Mais Densa” (também postaremos em breve). Assim você conhecerá vários heróis e vilões de uma vez e poderá ver com qual se identifica mais, assim podendo escolher um título novo para ler.

      E sobre os Robins, o texto “da” Robin também está por vir, fica tranquila. Até a próxima.

  2. Jéssica, não li todas as HQ’s ainda e não entendi uma coisa. Na trilogia, o filho do demonio, o Damian não é deixado na porta de um a família? Como a história se desenrolou sabendo que ele não estava mais nos cuidados de Tália?

    Pegando o que o leandro falou, realmente Damian chegou achando que ele era bala que aleijou Barbara Gordon, ô menino irritante. Fiquei bem chateado tb pelo Batman nao ter falado nada para seu filho quando deixou Tim Drake *…..* sangrando, achei que pelo menos daria um beliscão em Damian.

    • João, antes de mais nada, não sou a Jéssica (já deve ter percebido). Vou adiantando o tema aqui, se ela achar necessário pode desenvolver mais em cima do que eu falei.

      Essa história faz parte de uma “Elseworlds”, ou seja, é só uma história “E se?”. Ela sequer entra na cronologia oficial. Então o Batman podia até se vestir de Bob Esponja e morrer numa batida de carro, não seria oficial de forma alguma. É uma das razões pela qual ODEIO elseworlds, além de deixar as pessoas perdidas ainda só fazem besteira.

      Caso semelhante ocorreu com a Carrie Kelley do “Dark Knight Returns” do Frank Miller. Ela era personagem de um elseworlds e recentemente entrou na série oficial. É o que ocorreu com o Damian, começou só como uma “ideia diferente” que tornou-se oficial. Não considere essa história “inteira” como a oficial sobre o Damian.

      E sobre o próprio garoto, é, nesses primeiros momentos ele é absurdamente chato, mas da Guerra pelo Manto em diante ele melhora bastante.

  3. Haa só mais uma coisa, Jéssica na sua opinião se houvesse uma revanche entre Damian x Tim Drake, no vale tudo, sem as Bat-éticas quem levaria a melhor ?

    • Oi João, tudo bem?
      Estava conversando com o Augusto sobre sua pergunta, e nós chegamos ao mesmo veredicto: Damian.
      Como você deve perceber pelos textos, não sei de outra pessoa que saiba tanto de Batman quanto o Augusto. Então vou te dar a justificativa para essa pergunta com as palavras dele:

      “Seria uma luta interessante. Na saga “Pearl” da “Batman & Robin” (Novos 52) rola uma briga do gênero, mas a situação é meio desigual, pois o Damian estava com o “fator surpresa” do lado dele. Esse combate pode ter vários resultados, depende das condições. Se será com armas/equipamentos ou na porrada? Na porrada o Tim talvez vença unicamente por ser mais forte fisicamente, já que o Damian tem apenas 12 anos, mas a experiência de combate do Damian é muito maior que a do Tim, pois apesar do Tim ter treinado com Batman e Lady Shiva, o Damian foi treinado pela liga dos assassinos, e também pelo Dick e pelo Bruce.

      Resumindo: Na porrada a balança pende de leve pra uma vitória do Damian, com armas o Tim não tem chance mesmo. Pelo saldo geral, acho que Damian vence.”

      • pois é, são muitos massas msm quero ter os personagens do batman tb, só as dele msm. Ainda nao tenho pois ele começará a ser vendido nas bancas em meados de agosto, mas já reservei as minhas miniaturas na livraria cultura, só o preço que é meio facada mas te garanto que vale a pena, eles vao custar 40 reais, eu tenho 3 miniaturas mas a do universo márvel, tenho a do homem-aranha, wolverine, e Dr. Octupus, e veei eles sao bem delicados e pesados, por ser feito de metal, sao lindo vale a pena pagar.

  4. Olá Jéssica,

    Muito legal o site principalmente para quem quer se aprofundar nas aventuras do Cruzado Encapuzado.
    Eu acabei de ler esta HQ após ter lido Luva Negra e Descanse em Paz e notei que as estórias acabam sendo meio que sequência uma da outra, só que a primeira seria Batman e Filho pois é nesta que ele conhece a Jezebel Jet que desenrola uma série de fatos com ela passando no Luva Negra e Descanse em Paz.

    Keep going !

    Abraços.

  5. Oi,gosto muito do site e queria saber se você sabe de algum outro site com downloads de hq’s de outros heróis da DC e da Marvel.E parabéns pelo seu trabalho,muito bom mesmo,abraço!

  6. Pingback: #74 – Batman: A Luva Negra | Batman Guide

  7. Pingback: #75 – Batman: Descanse em Paz | Batman Guide

  8. Pingback: Comentários sobre a polêmica envolvendo Grant Morrison e o final de “A Piada Mortal” | Batman Guide

  9. Pingback: CeteraComics #10 – Batman – Coringa, Duas Caras, Bane, Ra’s Al Ghul / NerdCetera | Batman Guide

  10. Pingback: #84 – Sereias de Gotham: União (“Batman: Renascido” – 5ª Parte) | Batman Guide

  11. Pingback: #89 – O Tempo e o Batman | Batman Guide

  12. Pingback: Feliz 2014! | Batman Guide

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s