#89 – O Tempo e o Batman

“O amanhã pertence ao Batman.”

Olá!
Como as coisas se complicaram nessas últimas semanas… É meu penúltimo semestre da faculdade e o laboratório onde eu trabalho esteve envolvido em grandes seminários e congressos que exigiram muito de mim e de todas as meninas que trabalham comigo. E o resultado foi mais de um mês sem postar aqui no Batman Guide! Peço desculpas a todos vocês por esse atraso. Entretanto, nem tudo são más notícias: são minhas primeiras férias de trabalhos e estudos desde o começo de 2012! Desde então, quando eu não estava trabalhando, estava estudando, e vice-versa. Agora estou de folga dos dois! Vamos tentar compensar o tempo perdido então?

A HQ de hoje foi publicada na Batman #700, em uma edição gigante de aniversário. Conta com o roteiro de Grant Morrison e a arte de Tony Daniel (pgs. 3-10), David Finch (pgs. 11-18), Andy Kubert (pgs. 19-27) e Frank Quitely (pgs. 28-33). Além disso, tem uma galeria de imagens que conta com artes de Guillem March, Dustin Nguyen e Bill Sienkiewicz, entre outros. Sim, esse é o grupo de DINOSSAUROS responsáveis por essa história. Eu tenho a impressão que você não deveria deixar de lê-la.
Aprecie “O Tempo e o Batman”! (“Time and the Batman”, agosto de 2010)!

Line

Você, leitor do Batman Guide, sabe o que acontece quando Grant Morrison está no roteiro de uma obra. É hora de abandonar alguns conceitos pré-estabelecidos: tempo, espaço, consciência, realidade, sonho. O conceito que você precisará redefinir para esta HQ é, como o próprio nome da história diz, tempo. O templo é flexível.
Como comemoração da edição #700, o que temos é uma viagem pela trajetória do Morcego ao longo dos exatamente 40 anos de história. Cada período da história de Batman é homenageado com primor e detalhismo que irão agradar aqueles que, como nós, tem interesse no caminho que o Morcego percorreu desde o caráter brincalhão da Era de Prata até seu estabelecimento como o Cavaleiro das Trevas sério e implacável que ele se tornou.
Introduções feitas, vamos para a história.

001Primeira parte: o “Ontem”.
Batman (Bruce Wayne) e Robin (Dick Grayson) estão sendo mantidos reféns por Coringa, Mulher-Gato e outros vilões como Chapeleiro Louco, Charada e Espantalho. A arte dessa parte é riquíssima em detalhes. Vou pedir para que você leia com cuidado um dos enigmas que Charada faz em uma dessas páginas. Ao identificá-lo, tente respondê-lo mentalmente.
Os heróis estão sendo submetidos a uma máquina de hipnose temporal. Trata-se de uma Máquina de Possibilidades; nas palavras de Batman, ela “gera visões de como as coisas poderiam ter sido”. Mas nem por um minuto vocês devem se esquecer que estamos falando do Goddamn Batman: levará três minutos para a máquina ser reiniciada pelo doutor Carter, e ele avisa aos vilões que estará livre das algemas em apenas dois. Coringa não acredita nisso. Ele acha que conseguiu quebrar Batman, “atropelá-lo” – lembre-se da sua participação nos eventos de “Batman: A Luva Negra”. Inconformado, ele faz uma promessa: ele irá enviá-lo de volta para o grande dia em que Batman nasceu, e dar a Batman a chance de desfazer a sua própria criação, abortando os demônios que o levaram a ser o que é. Através do Livro de Piadas do Coringa.
002Bem otimista esse Coringa, né. Ele realmente acha que o Batman ia deixá-lo brincar de deus dessa maneira? Claro que o Morcego consegue se desvencilhar do plano de Coringa e mandar os vilões para os cuidados de Gordon.
Entretanto, na volta para casa, Batman e Robin começam a conversar… E se Batman tivesse realmente voltado no tempo e impedido Joe Chill de matar seus pais? (Isso me lembrou um dos paradoxos das viagens no tempo, mais especificamente o Paradoxo do Avô, em que se discutem as implicações de uma pessoa voltar no tempo e matar seu avô, que por sua vez não conheceria sua avó, ou seja, essa pessoa não existiria). Entretanto, essa possibilidade não tira o sono de Bruce porque, segundo ele, “somos o que somos e não podemos mudar o que já aconteceu”. É uma filosofia que eu, particularmente, adoto para a vida.

003Segunda parte: o Hoje.
Anos depois. Agora Batman é Dick Grayson, e Robin é Damian Wayne. O doutor Carter Nichols está morto. Um tiro no coração, mas sem sinal da arma. Um sorriso no rosto. E o capacete da Máquina de Possibilidades ao seu lado. Desconfiado, Grayson acha que seria uma boa idéia aparecer no Beco do Crime, onde os pais de Bruce morreram – e o conceito de Batman nasceu – para levar flores em homenagem a Martha e Thomas. Mas como é pedir muito que Batman e Robin tenham UM minutinho de paz em Gotham, eles se deparam com uma legião de bandidos fazendo um arrastão na cidade. Ah, os bons e velhos quadros de porradaria, dentes quebrados e maxilares deslocados, uma cortesia de Batman e Robin.

P
004Aparecem uns vilões a mais que contam sobre um leilão ilegal do Pinguim e Batman avisa, sorrindo, que está de olho neles. Na boa, acho que eu me assustaria menos levando umas porradas do Batman do que sendo alertada por ele com esse sorriso perfeito meio maníaco. Esse jeito do Dick Grayson desagrada a alguns, mas é indiscutível que só piorou o medo que os vilões tinham de Batman.
005-2Você vai notar que, da página 18 à 19, a arte sofre uma mudança significativa; a arte fica a cargo de Andy Kubert. Particularmente, eu não curti o desempenho dele nessa HQ. Ele fez os personagens com queixos mega-projetados para a frente e os lábios inferiores muito evidentes. Fica meio difícil de enxergar a seriedade nas coisas com um Batman fazendo beicinho. Mas tudo bem, ninguém acerta o tempo todo. Dick postula sobre a morte de Charter: foi suicídio. Um suicídio com um tiro no coração e sem sinal da arma? Oh, well, quem sou eu para questionar o Batman, não é?

006

Terceira parte: o Amanhã.
A cidade está sendo feita de refém em troca do Livro de Piadas do Coringa. O Batman agora é Damian Wayne (exatamente como Batman #666, parte do encadernado de Batman e Filho). É tudo tão tecnológico nessa fase imaginada por Morrison que eu nem sempre consigo acompanhar. Tem um exército de coringas-zumbis, criados por um homem que sequestrou um velho e um bebê (deve ser gente finíssima ele). Uma chuva de toxina do Coringa, o Riso Mortal, será derramada sobre Gotham em 10 minutos. 007Quem está por trás de tudo isso é Duas-Caras² (sim, elevado ao quadrado mesmo). O significado do velho e do bebê estão descritos na conversa com o Duas-Caras: o passado e o futuro, que morrerão se Batman não entregar o Livro de Piadas de Coringa. E quem é o velho? [Alerta de spoiler! Se deseja ler, selecione o texto a seguir]. Nicholas Charter. Esse Carter do presente não está morto; ele viajou para o futuro, onde se matou e mandou-lhe de volta ao passado para fingir sua morte. [Fim do spoiler]

Entendeu? Eu também não. Mas o Grant Morrison tem muito disso: se você não entendeu agora, paciência, uma hora você entende.

008Parte 4: o Amanhã…
Aparecem várias referências a Batman Beyond, que os fãs irão reconhecer, como a citação aos pais de Batman, Mary e Warren McGinnis. Há uma Revolução do Ódio em curso. É interessante como Morrison sempre bate na tecla de que Damian será Batman. Amigos, essa parte toda é muito confusa e científica, e vale mais pelas falas finais.

LineDown

Guillem MarchA galeria de imagens é simplesmente sensacional. Eu nunca escondi de ninguém o meu apreço pela arte de Dustin Nguyen, mas todos os artistas estão sensacionais. Veja aquele Coringa desenhado pelo Guillem March e me diga que aquilo não é arte. Veja aquela arte do Bill Sienkiewicz e me diga que isso não é obra de um ser superior.
Além disso, essa HQ ainda conta com um infográfico riquíssimo em detalhes dos níveis da Batcaverna, os gadgets e estruturas principais.
Das histórias de Morrison, essa é uma das menos complicadas. O fato de serem histórias “fechadas” ajuda a entender melhor essa HQ. Eles também não podiam fazer uma coisa MUITO complicada numa edição comemorativa de Batman; esse tipo de edição especial costuma ser comprado por pessoas que não acompanham a cronologia, então não poderíamos ter algo complexo e cheio de pré-requisitos como “O Retorno de Bruce Wayne” ou “Descanse em Paz”. Contudo, “O Tempo e Batman” ainda assim tem uma complexidade e uma mensagem central muito relevantes.
O que podemos retirar dessa história? Que Batman não pode ser destruído. Ele é uma força, uma idéia, uma entidade. Assim como o próprio tempo.
Se lembra do que eu disse sobre Charada, sobre o enigma que ele contou no começo da história? “No que podemos bater mas nunca derrotar?” A resposta é o título dessa HQ: O tempo e o Batman. Podemos tentar destruir o tempo e podemos tentar destruir Batman, mas eles nunca serão destruídos. Não importa quando. Não importa onde. Não importa o quão escuro. O amanhã pertence ao Batman.


COVER

Download no MEGA: O Tempo e o Batman

Anúncios

  1. Q ótimo q o blog “voltou”, eu passo aqui, falando sério msm, uma vez por dia e nem acreditei quando vi a aguardada postagem de número 89. Mt obrigado pelo ótimo trabalho q vcs fazem no blog e tomara q continue assim por mt tempo!
    E graças ao blog já consegui adquirir muitas hqs: Ano Um, Vitória Sombria, Cidade Eterna (essa na verdade ñ vi aqui mas é mt interessante), A Piada Mortal, O Filho Do Demônio, Cidade Castigada, Batman E Filho, A Luva Negra, Descanse Em Paz e O Q Aconteceu Ao Cavaleiro Das Trevas, além de ter começado a coleção do Batman nos Novos 52 (comecei na 13, mas já consegui quase todos os atrasados). E tudo isso desde agosto eu acho! Então é isso, quis compartilhar isso c/ vcs pois se ñ fosse pelo blog eu ñ teria nenhuma dessas hqs, então por isso, vlw!
    Ah, e na leitura do blog estou em Jogos de Guerra e tô curtindo mt!

    PS: se vcs souberem onde vende, gostaria mt de ter Silêncio e O Longo Dia Das Bruxas (Panini), já procurei e ñ consigo achar, só no Mercado Livre, mas lá o preço está absurdo!

    • Olá Tiago!
      Muito obrigada por compartilhar conosco os títulos que você adquiriu! Você tem aí uma coleção de respeito, que conseguiu em pouquíssimo tempo. Meus parabéns, e esperamos que você continue cultivando o hábito de colecionar quadrinhos 😀 E ficamos orgulhosos de saber que te ajudamos nessa sua coleção 😉

      Querido, para adquirir “Batman: Silêncio” você terá alguma dificuldade mesmo, não sei onde poderia encontrar fora do Mercado Livre, pois é uma edição rara entre os colecionadores. O mesmo sobre “O Longo Dia das Bruxas”. Essas edições estão esgotadas e as empresas não tem estimativa de quando farão uma reimpressão (uma grande tolice, pois existem muitos leitores interessados), então qualquer exemplar que apareça logo é colocado como item de colecionar, aumentando em muito o preço.

      Desculpe não poder ajudar, e espero que continue aumentando sua coleção! Beijos!

      • Tbm coleciono Lanterna Verde dos Novos 52 e o mangá novo dos Cavaleiros, Next Dimension, e Bleach a partir do 55 pois essa parte nem tem confirmação se vai ou ñ virar anime. E tbm recentemente completei a coleção do Lost Canvas, tbm dos Cavaleiros!

        Eu acho q a Panini lucraria mt trazendo esses dois arcos de volta, além de outros clássicos como Uma Morte Em Família e Dia Das Bruxas (adoro a parceria Jeph Loeb & Tim Sale).

        Vc sabe se existe o encadernado brasileiro de Sob O Capuz? Eu vi a animação alguns meses atrás e achei mt boa, mas quando li a hq aqui semana passada pude ver q a hq é bem melhor e é foda d+!!!
        Beijos!

        • Oi querido! Que legal, queria colecionar Lanterna Verde também, comecei a colecionar Liga da Justiça mas parei na #12. Tenho algumas coleções completas de mangás, alguns raros, mas nada muito extenso.
          Realmente a Panini DEVERIA prestar atenção às demandas de seus leitores, não só com Batman, mas com outras coleções que adoraríamos completar, como Preacher por exemplo. Eles estão perdendo dinheiro…

          Querido, não existe encadernado de “Sob o Capuz”, só as edições normais mesmo, que aqui no Brasil foram publicadas nas edições #40-#43 da Batman Mensal da Panini, sob o título “Por trás da máscara”. Não sei se você gosta de colecionar as edições fininhas, é bem difícil de guardar, né?

          Beijos!

  2. Pingback: #90 – “Descanse em Paz”: O Capítulo Perdido | Batman Guide

  3. Ah, assim, as edições dos Novos 52 são fininhas e é um pouco chato msm, os especiais em capa dura são mais fáceis e ficam mais bonitos na estante tbm, mas já q ñ existe (pelo menos por enquanto, quem sabe?), vou ver se consigo essas edições! Obrigado pela ajuda!

  4. Pingback: #94 – O Cavaleiro das Trevas: Aurora Dourada | Batman Guide

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s