Arkham Origins: Review & Crítica

“AAAH MAH GAD!BATEMA ORIGINS!!! Mamys e popys, quero 25 exemplares só pra saber que tenho vários reservas e também para presentear minhas BFF. Agora, Lucky, meu maltês lindo, faça pose, estaremos no instagram em 5… 4… 2… Epa, 3!.. 2… 1… espera, o 2 já tinha ido, eu devia ter tirado? Ah foda-se, to jogando Batima e nothing else matters! #partiu #Origins #feiradafruta4EVER”. Não.

Gente, é com certo sentimento de decepção que lhes trago o texto sobre o recém lançado jogo Batman: Arkham Origins.

Line
De início eu estava empolgado, quando anunciaram um novo jogo onde o mapa seria maior, haveria fast travel e tantas outras coisas, pensei “É o City e um mundo de coisas a mais”. Então mais pro meio do processo liberaram algumas informações, tipo a presença do Deathstroke, e alguns vídeos tipo o encontro do Batman com Bane e Coringa. Até aí todo mundo estava cheio de expectativas, inclusive eu.
Depois falaram que tudo se passaria numa noite de véspera de natal, onde o Máscara Negra põe um prêmio na caveira do Batman, e 8 assassinos entram na corrida pra matar o morcego, então todo mundo entrou naquela fase “Mãe Dinah” pra adivinhar quem seriam os vilões.
“Eu vi o Espantalho naquela imagem minúscula em preto e branco com resolução baixíssima e tamanho aproximado de uma foto 3×4! Isso quer dizer que o Espantalho está no jogo!”. Dezenas de pessoas entraram nessas teorias fajutas, e deixando claro, o Espantalho NÃO é vilão desse jogo. Ok, depois confirmaram um monte de vilões, fizeram videozinho pra Copperhead, pro Máscara Negra… E enfim saiu o jogo.
Teve calango por aí que zerou em poucas horas, outros que já estavam com videos e walkthroughs prontos, parece até que trabalham pra Warner ou que tem algum grau de parentesco com o Ethan Hunt, ou no mínimo as habilidades do protagonista, o Batman. Eu comprei o jogo no começo de novembro e jogando umas 3 ou 4 horas por dia no modo normal zerei o mesmo.
“Com 100%?”, não, não foi com 100%. Pouquíssimo acima dos 50% totais, zerei apenas o modo história mais comum, nem relei perto do New Game Plus porque, cá entre nós, que porre mano.
Isso aqui se trata de um review, se não quiser spoilers vá ler um PREview de meses atrás. Eu não vou ficar omitindo pequenezas que são essenciais pra expressar o que esse jogo passa a quem joga. Na boa, nem dá pra considerar “spoiler”, o jogo é mais óbvio que a gravidade puxar as coisas pra baixo.
Quem não quiser ler spoiler é melhor abrir o site da Fanta e jogar alguma besteira infantil em flash e ir dormir as 9. Eu não entendo o drama que nego faz com spoiler, é como estar estudando algo tipo… Sei lá, história da astronomia, e ficar nervoso porque te contaram que a Terra gira em torno do Sol enquanto você ainda estava na parte que a Terra era o centro do universo. “Buáá eu queria ter descoberto essa novidade sozinho”. Se todo problema da sua vida for esse, parabéns, você tem menos problemas até do que Jesus.
Esse texto não vai sair como mais um “informativo neutro” sobre os prós e contras do jogo. Na verdade eu sei que deveria ser assim, mas acho que pagar 200 contos pra ter uma surpresa negativa não é bacana. É melhor você ler isso aqui e achar que o jogo tá uma merda e se surpreender pra BEM quando jogar do que ir achando que será o melhor jogo do ano e quebrar a cara.

Continuar lendo

Arkham Origins: Novas Informações, Galeria de Imagens e Vídeos

Oi!
Hoje faltam exatamente 2 meses para o lançamento do jogo Arkham Origins, o novo game do Batman produzido pela Warner Bros de Montreal.
E aí? Estão ansiosos pelo Arkham Origins? Que fã não estaria. Talvez um que não fosse poder jogar por falta de capacidade no pc ou falta de recursos pra um video-game. O capitalismo tem esse lado maldito, esfrega na sua fuça coisas maravilhosas que você não pode ter.
Mas nosso trabalho é trazer a quem vai jogar e a quem não vai os detalhes que tem sido lançados sobre esse jogo. É sobre o Batman, claro que iríamos falar disso.

Imaginei o Arkham Asylum. Ok, agora aumentem o cenário, mudem uns equipamentos, melhorem o uniforme, coloquem mais personagens e mais mistérios e enfim temos o Arkham City. Agora melhorem TUDO e voltem no tempo. Não faz sentido, mas esse é o Origins.

Esse é o segundo post sobre o Arkham Origins. Para não ficar repetitivo, não trarei as informações que já estão no primeiro post; então vou pedir para que você leia o primeiro texto antes de ler esse aqui.

LINE

Recapitulando um pouco, já sabemos que teremos um Batman jovem, ainda no começo da carreira de vigilante em Gotham City, que tem a cabeça posta a prêmio por Máscara Negra, atraindo 8 perigosos vilões do mundo DC para matar o Morcego.

Em entrevista ao site VG247, o diretor criativo do game Eric Holmes nos explica que Batman está foragido graças a desavenças com o Comissário Gordon (uma constante entre eles, apesar do ótimo trabalho em equipe que eles fazem). Então, além de descobrir porque Máscara Negra o quer morto, Batman ainda precisará provar ao DPGC que está do lado deles – e utilizará Pinguim para obter essa informação. Aliás, ponto interessante é que veremos um dos primeiros encontros entre Pinguim e Batman, e descobrir um pouco da razão pela qual eles se odeiam tanto. Para ajudá-lo nesse interrogatório, ele contará com Batwing para interceptar a base de operação de Pinguim. Não poderemos controlar Batwing diretamente, mas poderemos destruir as torres de redes que porventura bloquearem o seu vôo. Também haverá a oportunidade de destruir sensores que atrapalham as habilidades de Batman em certos pontos do cenário.

Segundo imagens vazadas, um dos cenários será Bat-caverna, em que Batman se encontrará brevemente com Alfred como parte de alguma missão específica, para levantar informações sobre os vilões com os seus recursos tecnológicos. É provável que haja alguma participação dele como Bruce Wayne.

Multiplayer

O modo multiplayer do jogo foi uma das coisas que mais me chamou atenção (e me deixou ansiosa): Não será o tradicional 1 x 1, mas sim o sistema de “2 contra 3 contra 3” (2 vs 3 vs 3, no original). Como diabos isso funciona? Dois jogadores controlarão Batman e Robin, e enfrentarão outros 6 jogadores que representarão os capangas de Coringa e os capangas de Bane. Os capangas também possuirão equipamentos, além de um sistema de visão parecido com a função “visão de detetive” de Batman, minas terrestres e afins.
O objetivo dos vilões é chegar primeiro a um determinado ponto do cenário em que eles se tornarão Coringa ou Bane, adquirindo mais poder de fogo. O objetivo dos jogadores que controlarem Batman e Robin é não serem vistos, já que eles não possuem os mesmos recursos mortais que os inimigos.

Serão mostrados rankings de combate, de acordo com o seu desempenho nas lutas com os capangas. São eles:

S – Apex Vigilante
A – Mythical Vigilante
B – Master Vigilante
C – Warrior Vigilante

Teremos o modo “1 vs. 100”, em que o objetivo é sobreviver a uma luta com 100 inimigos. Assumir o papel de Exterminador que se move mais lentamente e usa um cajado, pistolas e bombas.
Provavelmente teremos desafios e troféus, mas ainda não se sabe se eles estarão ou não envolvidos com Charada.

Viloes

VILÕES PRINCIPAIS

Dos 8 vilões que estão programados para tentar matar Batman em Arkham Origins, 5 já foram revelados:

  • Exterminador (Deathstroke)

  • Pistoleiro (Deadshot)

  • Bane

  • Cobra Venenosa (Cooperhead)

O anúncio da aparição de Cobra Venenosa em Arkham Origins se deu na San Diego Comic-Con, em julho. Com o visual baseado na reformulação proposta pelos Novos 52, Cobra Venenosa será uma mulher (na versão original era um homem) e atacará Batman usando seus artefatos venenosos e sua habilidade de artes marciais/performance de circo.

  • Vagalume (Firefly)

Esse vilão foi revelado essa semana. Utilizando de suas habilidades piromaníacas, ele também está atrás da recompensa pela cabeça de Batman.

VILÕES SECUNDÁRIOS

  • Anarquia e capangas

O vilão Anarquia estará atrapalhando a vida de Batman plantando bombas pela cidade
Ele é contra qualquer forma de sistema organizado, mas que acha que está fazendo a coisa certa, como diz Eric Holmes. Cito:

“Ele não gosta de grandes corporações tentando controlar nossas vidas, ou o governo nos dizendo o que fazer. E ele acha que essas instituições devem ser chutadas, e ele quer destruí-las.” (Tradução minha desse link)

E como ele vai fazer isso em Arkham Origins? De uma maneira brilhante: ele vai plantar bombas na fundação dos principais edifícios dessas instuições em Gotham City, e Batman precisará achá-las e defusá-las a tempo.

Anarquia

Continuar lendo

Arkham Origins: Preview, Galeria de Imagens e Vídeos

UPDATE 25/05/2013

Trailer novo do jogo Arkham Origins:

E análise do trailer pelo canal BatmanArkhamVideos, mostrando elementos que passariam despercebidos, como as vozes dos bandidos serem as mesmas dos posteriores presos em Arkham City, relações com a animação, referências a outros personagens, roteiristas, trilha sonora, análise dos artefatos usados na luta, etc.

Oi!
Post excepcional nessa tarde de segunda para falar do novo jogo do Morcego que foi anunciado esse ano. “Batman – Arkham Origins” será lançado em 25 de outubro para Wii U, PlayStation 3, Xbox 360 e PCs. Diferente dos outros dois jogos da série, não é a Rocksteady quem está produzindo os jogos, mas a Warner Bros de Montreal.
Tentei reunir o máximo de informações possíveis para vocês, espero que gostem do texto! No fim da página tem uma galeria das imagens e vídeos já disponíveis do jogo. Conforme forem aparecendo eu disponibilizo aqui no Batman Guide!

Origins

Esse novo jogo se passa antes dos dois outros lançados (Arkham Asylum e Arkham City). Conheceremos um Batman jovem, ainda no começo da carreira em Gotham City – e consequentemente cometendo uma série de erros e despertando a raiva em criminosos da cidade.
O principal inimigo do jogo Arkham Origins será Máscara Negra, um poderoso chefão mafioso em Gotham. Ele coloca um preço pela cabeça de Batman, e começa a corrida de oito chefões assassinos e mercenários para matá-lo e receber o dinheiro. E como era de se esperar, a polícia de Gotham está contra ele (ponto positivo por terem observado esse elemnto nas HQs), e além de proteger sua vida, Batman precisará provar para a polícia que não é criminoso.
O jogo se passa na época de Natal (o que explica a ausência de civis nas ruas). Aparecem alguns personagens novos como o Exterminador, e outros que já apareceram na saga também marcarão lugar em Origins num momento anterior aos apresentados nos outros dois jogos – veremos, por exemplo, as brigas iniciais entre Batman e Pinguim. O produtor sênior da Warner Bros Montreal, Bem Mattes, exemplificou dizendo que “O Batman de Arkham City é o Batman 5.0… O nosso Batman é a versão 0.9″. Como exemplo, ele diz que o Batman de Arkham City sabe exatamente quantos dentes quebrou do inimigo com um soco, enquanto que o de Arkham Origins não. A batalha contra o Sr. Frio em Arkham City foi o modelo utilizado para as lutas dos chefes em Arkham Origins (e agora é a hora em que a autora desse texto fica deprimida, porque pra mim o Freeze foi o vilão mais difícil de Arkham City).
Ele conta com um arsenal diferenciado, não necessariamente o mesmo dos outros jogos. O lançador de gancho terá funções similares às do jogo Just Cause 2. Com o Exterminador ele conseguirá um equipamento que permite prender dois pontos diferentes com uma corda – e ele poderá, por exemplo, jogar elementos do cenário na cara dos bandidos.
Teremos uma nova área chamada New Gotham, mais moderna e arrojada, que contrastarão com a Old Gotham. A ponte entre a velha e a nova Gotham é uma área totalmente possível de explorar. Além disso, o mapa de Origins terá o dobro do tamanho do mapa de Arkham City (que não era nem um pouco pequeno).
Batman já é um grande detetive em Origins, apesar de ainda não ser o maior detetive do mundo. Com o visor presente em seu capuz, ele será capaz de projetar hologramas para recriar as cenas em questão; poderá, então, controlar a exibição desses hologramas, retrocedendo, avançando ou pausando as cenas, girando ao redor para visualizar outros ângulos e procurando maiores detalhes para suas investigações. Por vezes essas investigações exigirão que ele faça uma visita em outra área da cidade para prosseguir nas buscas.
Segundo informações do site Kotaku, Arkham Origins terá modo multiplayer online – algo inédito na série. Segundo as fontes do site, o usuário poderá jogar como membro da gangue de Coringa ou de Bane, para aniquilar Batman e Robin.
Uma boa notícia para quem gostava dos Desafios e Missões Paralelas: os produtores estão propensos a integrar os Challenges à narrativa linear do jogo. Se antes elas eram totalmente opcionais, agora elas poderão estar integradas à aventura e render pontos de experiência àqueles que as jogarem.
A versão portátil do jogo se chamará Arkham Origins Blackgate, disponível para as plataformas Nintendo 3DS e OS Vita. Está sendo produzido pelo Armature Studio, que é composto por ex-desenvolvedores da trilogia Metroid Prime, e tem previsão de lançamento também para 25 de outubro.
O jogo se se situará após os eventos de Origins, e o cenário será a penitenciária Blackgate, durante uma rebelião de detentos. Mas além do roteiro principal também será possível enfrentar os chefes em diferentes ordens.
Arkham Origins Blackgate apresentará recursos dos jogos anteriores, com as devidas alterações para se adequar à plataforma 2D com progressão lateral e gráficos tridimensionais. O jogador poderá encontrar itens no cenário para utilizar durante as lutas – além de dispor também de todos os equipamentos já conhecidos do cinto de utilidades de Batman. Os combates prometem fluir bem como nas edições anteriores. O “modo detetive” será aprimorado, permitindo que o campo de visão dos inimigos seja observado.

Line

28

01

02

31

03

Continuar lendo