#54 – Batman: Terra de Ninguém

“… Depois que o solo partiu e os edifícios tombaram, a nação abandonou Gotham City. A partir de então, apenas os valentes, os saqueadores e os insanos permaneceram no lugar que passou a ser chamado de Terra de Ninguém.”

(Imaginem isso na voz do Cid Moreira, terminando com um “E agora, paladino mascarado?”, estilo Mister M.)
Senhoras e senhores, meninos e meninas, religiosos e comunidade GLS (e mais algumas letras caso eu já esteja antiquado), preparem-se para a maior zona que Gotham já viu. Quase mais absurdo do que um embate entre o Capitão Codorna e o Naruto, esta saga é a “Terra de Ninguém”.
Você verá Batman, Asa Noturna, Coringa, Arlequina, Crocodilo, Caçadora, Scarface, Duas-Caras, Barbara Gordon, Bane, Mulher-Gato, Azrael, uma nova Batgirl.
Nome auto-explicativo, como boa parte das vezes. Sequência direta do “Terremoto”. Uma saga muito, mas MUITO longa, dividida em MUITOS titulos do morcego. Gotham foi aos frangalhos, uma ruína gigante. Batman lutava pela cidade, e agora a cidade não existe, mas o Morcego não desistiu, lutou pelo que restou e lutou para reconstruir.
Você acompanha agora as partes importantes desse arco que mudou o rumo de todas histórias até o último reboot da DC recentemente.
Proteja o que é seu, pois daqui pra frente não há leis. Terra de Ninguém.

Nota da Jéssica:
Preciso, antes de tudo, agradecer demais ao Augusto por ter escrito esse texto, que consumiu tanto tempo dele. Não posso expressar minha gratidão por essa contribuição, e por todas os outros magníficos textos que você fez para o Batman Guide. Esse blog não seria o mesmo sem você. Obrigada!
Para a leitura dessa HQ, recomenda-se fortemente que você tenha lido, ou pelo menos conheça em linhas gerais, as seguintes sagas:

LINE001
001Roteiristas: Bob Gale, Dennis O’Neil, Devin Grayson, Greg Rucka, Ian Edginton, Chuck Dixon, Scott Beatty, Lisa Klink, Kelley Puckett, Mark Wayd, John Ostrander, Larry Hama, Janet Harvey, Paul Dini, Bronwyn Carlton e Steven Barnes.
Desenhistas: Alex Maleev, Roger Robinson, Dale Eaglesham, Jason Pearson, D’Israeli, Frank Teran, Andy Kuhn, Will Rosado, Guy Davis, Jon Bogdanove, Phil Winslade, Pascal Alixe, Mike Deodato, Staz Johnsson, Damion Scott, Mark Pajarino, Dan Jurgens, Jim Balent, Rick Burchett, Jason Minor, Tom Morgan, Sérgio Cariello, Scott McDaniel, Paul Gulacy, Yvel Guichet, Gordon Purcell, Paul Ryan, Mat Broome, Rafael Kayanan, Greg Land, Steven Harris e Pablo Raimondi.
002(Uma massagem do Bane pra quem conferir se eu pus algum presidente americano no meio dessa bagunça).
Temos desenhistas muito bons e muitos ruins nessa equipe, e roteiristas que, querendo ou não, não podiam fugir da ideia principal da saga. Então podemos dizer que os roteiros são equivalentes. Alguns tem diálogos e falas mais articuladas e naturais, coisa menos manjada e clichê, mas no geral, bom. A temática então nem se fala. Foi extrema.
003As primeiras cenas relatam bem o que está havendo. A cidade parece Racoon City (Resident Evil), tá lá, aos pedaços, mas está. Não tem uma doença, mas a cidade parece estar em quarentena, ninguém entra, ninguém sai, ninguém pode sobrevoar… Virou uma terra proibida. Vemos a tentativa de um padre e de um outro camarada tentando jogar comida pra dento da cidade de qualquer jeito e sendo impedidos, por terra e por céu.
Bárbara continua em suas “funções de Oráculo”. Ela está em um prédio à prova de terremotos e com painéis solares, gerando energia normalmente. Sorte? Não, é um prédio Wayne.
Bárbara explica como a cidade ficou, com gangues pra todo canto marcando seus territórios, tornando-se reis da “terra de ninguem”. Isso em boa parte foi graças ao Jeremiah Arkham, que soltou todos os detentos do Asilo Arkham (relembre aqui.)
Quem acompanha a história há algum tempo e já teve oportunidade de ler histórias a frente dessa já deve ter percebido que o Jeremiah Arkham é um desgraçado de marca maior. Eu sinceramente não entendo porque os heróis da familia morcego tem tanta tolerância com as merdas que esse cara faz. Mas deixando ele de lado (por enquanto…).
004A cidade foi dividida entre os “grandes” do submundo. A revista proporcionou um mapa muito interessante de Gotham, não me recordo de terem apresentado um mapa político de Gotham antes. Duas-Caras com seu território, Hera Venenosa com o seu, Crocodilo com o seu, assim como Mr. Freeze, Scarface, Zsasz, Pinguim, Espantalho, Máscara Negra, Caçadora e também a polícia.
O Coringa desapareceu, e isso deveria assustar muita gente. Já ouviram o ditado “amigos perto, inimigos mais perto ainda”? Então.
Quem estava se dando melhor na confusão foi o Pinguim que estava se aproveitando da situação graças a algum meio de importar coisas de fora da cidade. E o Batman? Pois é, sumiu. Segundo relatos, Bruce Wayne após ter obtido falha em sua tentativa de resolver os problemas de Gotham no congresso, simplesmente desapareceu, e isso já fazia 3 meses. Ainda deu ordens a seus morcegos menores para ficarem fora de lá.
Sumiço por sumiço, Gordon desiste do Batsinal, acha que Batman abandonou a cidade como todos os demais, disse que ele só vai pelos caminhos fáceis… É.

Gordon001

A relação do Batman com o Gordon tem horas que é incrível, ver a confiança mesmo o Batman sendo um mascarado sem garantia alguma de que vai fazer o que faz, porém não e a primeira vez que o Gordon joga tudo pro alto na hora do nervosismo. Sempre que a merda aperta e ele não consegue garantir pra si mesmo que o Batman ainda tá na boa intenção o velho alopra. Não é como o Dick Grayson ou o Alfred. Tudo bem que ambos sabem a identidade secreta do homem, mas vamos lá, o Gordon tá careca de saber que o Batman tá do lado do bem, só que age por caminhos “diferentes”.
Lembram o que falei do Coringa? Então, ele está montando a“Coringaville”, os território dele. Competindo diretamente com a Batgirl pixando por aí em nome do morcego.
007Não demorou muito e Batman voltou a ação. Por onde andava ninguém sabe, mas Alfred ficou na pior e ele apareceu. Deu um parecer que precisa reaprender a andar pela cidade, uma vez que está tudo destruido e tudo o retarda. Não demora muito e ele encontra a Batgirl. Ele elogia o uniforme e manda a mulher sumir, explica que já mandou todos demais morcegos não se envolverem pois a chapa tá quente em Gotham (ou no que sobrou dela). A mulher diz que a cidade precisa de um morcego, ele concorda, e ele então simplesmente deixa a mulher continuar fazendo o que estava fazendo. Não aprova, mas como ele mesmo disse, “não desaprovo”.
Batman decide adotar a “pixação do morcego” que a Batgirl estava fazendo por Gotham, e como primeira atitude toma o bando do Scarface, dá as ordens como se fosse um líder de gangue e deixa todo mundo avisado de proteger o território recém-tomado SEM armas, e pra continuarem pegando o tributo. Força os “ladrões de território”a pixar o Morcego por cima do próprio simbolo da gangue deles… O sujeito tá gangsta malvadão. Podemos chegar a um acordo… Agora é “GTA: Gotham City”.

“Você começa a salvar o mundo salvando um homem por vez, todo resto é romantismo ou política”. (Charles Bukowski.)

008Caçadora, Batgirl e Azrael meio que são forçadamente necessários pro Batman. O Morcego aciona o Azrael para caçar um dito cujo que pode jogar pra trás o maior investimento já feito por Bruce Wayne. O Morcego pretende aplicar todo seu dinheiro na cidade. Deu-lhe um novo uniforme, pois o outro estava associado a figura de um Azrael criminoso acusado de assassinato. Agora Jean Paul Valley virou uma boneca cibernética, um Robocop Gay. Brincadeira. Mas a roupa é lata pura, de longe até lembra o atual Batwing.
Caçadora ganha mais uns pontos de confiança com o Batman pelo trabalho incansável, entra um período de muita conversa com o Espantalho, espionagem de um ex-Máscara Negra…

006

A história por muito tempo é isso, jogadas políticas não-oficiais e decisões sem tempo de pensar. Batman está tendo que aceitar diversas coisas que muito provavelmente em outras ocasiões não aceitaria. Batgirl (que ainda não é Batgirl oficialmente nessa altura), como eu disse antes, foi “não-reprovada” e ficou na ativa na Terra de Ninguém.
Batman ainda encontra a Dra. Leslie e tem mais uma daquelas conversas ótimas que tanto gosto, ela sempre faz o temível Batman ser um eterno garoto.
Os mapas são um plus dentro dessa saga tão complexa e longa. Você vai vendo os avanços das “gangues”, e nesse caso, também estou pondo a polícia de Gotham e os “morcegos” como gangues. (Clique nas imagens para ampliar)

O título o tempo inteiro faz jus a história. Terra de Ninguém. Guerras e tomadas de território ocorrem de hora em hora. Em um trecho, Barbara narra 3 conflitos ao mesmo tempo, enquanto a polícia de Gotham invade territórios do Pinguim, o Pinguim em si quebra o trato que tem com o Batman e invade as terras do Morcego, e Duas-Caras avança rumo a algum lugar, e possui mais homens do que os demais pensavam.

005

Duas-Caras foi ao encontro do Pinguim, que estava tendo uma “barreira” do território dos morcegos, a Batgirl. Lá Pinguim foi traído pelo Duas-Caras da mesma forma que traiu o Batman. Ele iria dobrar seus territórios, e acabou perdendo metade do que possuia. E o Batman… Perdeu também. Batgirl abriu mão da luta pois estava sozinha. Batman foi preso por uma russa que foi cobaia de um implante cerebral para ler mentes, a mulher foi ao Batman a mando do Duas-Caras, mas de alguma forma ela não ficou como “inimiga” do Batman, apesar de ter lido a mente dele e descoberto todos os segredos. Pena talvez.

Continuar lendo

Anúncios