#21 – Batman: Cidade Castigada

“Todo mundo tem medo de alguma coisa.
Do que eu tenho medo?
Não é de aranhas, do escuro, da perda… da perda..ou até mesmo da morte…Mas de sonhar.”

Olá!
Hoje apresentarei uma HQ escrita por Brian Azarello, velho conhecido de quem já está familiarizado com boas e clássicas obras. A arte é de Eduardo Risso.

Nela você vai se deparar com um Batman cheio de memórias que o atormentam, assuntos nunca resolvidos antes da perda de seus pais, e considerando a dimensão de suas responsabilidades. E paralelamente a isso, Gotham está sendo tomada por vilões como Crocodilo, Coringa, Pinguim, Scarface e outros. Gotham é mostrada como uma cidade fragilizada, danificada, cheia de almas doentes que buscam algum tipo de socorrro, mas… Será Batman capaz de ajudar cada uma dessas almas a encontrar a redenção?
Descubra em Batman: Cidade Castigada (Batman: Broken City, lançado no Brasil em 2007)!

O roteiro da nossa HQ começa com uma mulher grávida encontrada morta num depósito de lixo em Gotham – mas ela não está apenas morta, está parcialmente devorada. Além disso, seu irmão desapareceu. Qual seria o motivo desse desaparecimento? Seria ele culpado por esse crime?

O interrogatório inicial com Crocodilo, que Batman acredita ter sido pago para cometer esse crime, é apenas o início da sua jornada. Batman precisa encontrar os responsáveis por esse crime hediondo, em meio à ascensão de vilões grotescos e perigosos. O clima noir é evidente em todo o enredo. Há uma dupla de vilões que demonstra possuir grande conhecimento sobre Gotham City.
Como se não bastasse toda a tortura a que se submete mentalmente, a ironia do destino o pega de jeito ao pular de um prédio, perseguindo o irmão da mulher morta: Ele acaba se deparando com uma criança cujos pais acabaram de ser mortos por um homem armado, e então é revisitado por um todos os traumas que o machucam ainda na vida adulta, afetando a sua própria investigação.

Ele também se questiona sobre sua verdadeira identidade: ele era Bruce Wayne, que se vestia de Batman, ou ele era verdadeiramente Batman, e Bruce Wayne era apenas uma sombra de sua personalidade? Ele vê na maquiagem escorrida de Margô, uma mulher fatal e perigosa, a sua própria maquiagem, sua máscara, que o esconde… O esconde de que?
E depois de encontrar todas as pistas que acreditava serem verdadeiras, Batman está quase certo sobre quem é o assassino – mas depois de uma reviravolta, já não tem mais certeza da autoria do crime!
A arte de Eduardo Risso abusa das variações, com quadros grandes, com efeitos sombrios, personagens plásticos e amedrontadores, closes em sorrisos violentos, enquadramentos fluidos… Os personagens são muito realistas, suas roupas são adequadas para tomadas de ação em Gotham, para combates intensos. O sangue não é poupado, bem como os socos, e a violência de todos os personagens. Os sonhos de Batman são um caso à parte, e o atormentam noite após noite, até que ele resolva esse caso.

Não vou comentar mais sobre a HQ para evitar spoilers, mas é uma trama que vai te prender até o fim, numa caçada policial que demonstra ser mais complicada e intensa do que o previsto.

Continuar lendo

Anúncios