#96 – Batman: Julgamento em Gotham

Hoje o papo é sobre uma história que eu particularmente achei a melhor dentro da época “Incorporated”, e também um dos trabalhos mais sinistros do Grayson como Batman. Nessa história ele literalmente salva a cidade, pois ela ia explodir.

No Brasil, “Julgamento em Gotham”. Nos EUA, “Gotham Shall Be Judged”. Tradução boa? Sim, na faixa. Aqui tivemos a história publicada na Sombra do Batman #20 (pré-reboot). A saga que essa história pertence por si só foi uma zona sem pé nem cabeça (agradeçam ao Grant Morrison, o Tio Chico usando um meio termo entre metanfetamina e LSD), mas graças a essa saga louca, essa história fez surgir a oportunidade de uma cena épica que vocês vão conferir.
Arte de Guillem March e roteiro de David Hine. Digo, na “parte principal” da história a equipe é essa, na série mensal “Batman”, pois a saga em si alastrou para mais alguns títulos da época, como a Gotham City Sirens #22, Red Robin #22, e Azrael #14, 15, 16, 17 e 18.
Aqui no Brasil, a Panini lançou a história “Julgamento em Gotham” na revista “Sombra do Batman #20”, com todos esses números de outros títulos que citei acima embutidos. Ai a equipe muda, né.
Cada título tem seu roteirista e seu desenhista. Na Azrael era Cliff Richards na arte e também o David Hine no roteiro, na Red Robin era Fabian Nicieza no roteiro e Freddie Williams II nos traços, e na Sirens tinhamos o Peter Calloway no roteiro e Andres Guinaldo como desenhista. Querem um detalhe interessante? A capa de todas essas revistas foram feitas pelo Guillem March. O maluco é uma máquina.

Mas vamos lá, martelo em mãos, começa o Julgamento em Gotham.

LINE

001Vocês entenderão a história com uma única frase: Azrael é um babaca.
E se vocês acham que é o babaca do Jean-Paul Valley, se enganam, este Azrael é o Michael Lane, que também é um babaca. O manto de Azrael não deveria se chamar “Suit of Sorrows” ou “Manto do Sofrimento”, deveria se chamar “Manto do Otário”. Na verdade… Manto do Sofrimento encaixa bem, deve ser sofrido só fazer merda.
Me desculpem os fãs do Azrael, mas esse estilo de “guerreiro de deus” não me agrada, o comparsa (que é 100x pior que o Azrael) vive falando de vontade de deus, de passagens da bíblia, julgou o Tim Drake um pecador porque não fez sinal da cruz ao entrar numa Igreja, (sendo que ele entrou na correria pra salvar pessoas), dentre um monte de outras babaquices. O Azrael ainda soa menos bitolado que o comparsa dele, mas não muda o fato de que ele não pensa, ele pega a tal “missão divina” e já era a lógica. Ele não pensa sozinho, é literalmente um pau mandado, e eu odeio isso. Mas deixemos minha opinião de lado, só estou deixando claro a razão pela qual vocês não verão elogios ao Azrael aqui.
002A trama é a seguinte: Gotham City foi julgada uma cidade imunda e sem salvação (como sempre), então Azrael com ajuda dos camaradas ”Cruzado” (o sujeito sem nariz com uma cruz no meio da cara) e “Lume” (Surfista Prateado emo) ele vai “julgar” Gotham de acordo com a vontade de deus. O tal Cruzado voa, cria barreiras… É um cara bem articulado, enquanto o Lume (Sami Mousawi) é tipo um recipiente vivo de energia, e ele pode liberar toda energia acumulada em uma explosão. Algo semelhante ao Chemo, usado pra detonar Bludhaven na Crise Infinita.
Gotham ser julgada como um lugar impuro e que deve ser destruída por causa de seus pecadores fazem vocês lembrar de alguém? Pensem a respeito enquanto lêem o texto, e vejam se são bons detetives ao final da trama.
Se juntarem os pontos vão entender fácil que Azrael e Cruzado iam usar o Lume como bomba pra detonar Gotham, para assim Azrael cumprir com a “vontade de deus”. Bruce Wayne está fora da cidade, resolvendo assuntos da “Incorporated” em outro país, e na cidade estão Dick Grayson (como Batman), Tim Drake (como Red Robin) e Selina Kyle (Mulher Gato). Os três seriam testados por Azrael pra decidir se Gotham deveria viver.

Judgement004Vocês terão oportunidade de ver uma história da infância do Dick Grayson e uma história da infância da Selina. Vão ver Tim Drake sendo julgado pela espada do Azrael e sendo aprovado… Diversas coisas interessantes. Algumas vão parecer meio sem pé nem cabeça, tipo o Morcego queimado no peito do Grayson, ou o próprio Lume em si, pois foram coisas que aconteceram/apareceram em edições anteriores de histórias diferentes. Azrael atravessou o peito do Grayson com sua espada, bem em cima do simbolo do morcego, e o símbolo ficou queimado no peito dele, e toda hora ele sente alguma zique-zira devido a isso.
003Essa história (Julgamento em Gotham) eu li antes na internet, na época que foi lançada nos EUA, e posteriormente (alguns meses depois), comprei em revista aqui, mas na boa, se a revista tivesse vindo apenas a página nº 77, eu voltava feliz pra casa. Não precisa mais nada. Essa página foi linda, foi melhor do que a decisão empresarial de Serginho Malandro: “Investe metade no glu-glu e metade no ié-ié!” (Salve Exu Malandro).
Desculpem o foco tão grande nesse quadro, mas em história nenhuma vocês vão ver uma cena do Grayson como Batman onde ele praticamente incorporou o Bruce. Eu nunca vi o Grayson tão próximo de ser o Bruce, o mais perto que vi ele chegar disso foi durante a saga “Life After Death”, mais pro fim depois que o garoto informante morre.
Azrael com Lume em mãos, pronto pra explodir a cidade, com o auxílio do Cruzado logo atrás. Grayson sozinho pára numa distância ínfima do Azrael, encara o sujeito e diz

Batman: Você quer que eu siga você, é isso? Tenho que me ajoelhar a você e te chamar de “mestre”, como faz o Cruzado? Isso NUNCA vai acontecer.

Azrael

Continuar lendo

Anúncios

#79 – Batalha pelo Manto: Especiais

Olá!
Paralelamente à publicação mensal de “Batalha pelo Manto”, foram lançadas 6 one-shots e 2 minisséries contando a repercussão desses eventos no restante do mundo do Morcego – o que aconteceu no asilo Arkham? Como Oráculo reagiu? E o Comissário Gordon? E os heróis que ficaram para tentar proteger Gotham?
Elas foram depois compiladas num encadernado chamado “Battle for the Cowl: Companion”, e é sobre elas que eu venho falar hoje! Boa leitura!
LINE000
Oráculo: A Cura
(Oracle: The Cure, roteiro de Kevin VanHook e arte de Julian Lopez, maio-julho de 2009)

LINE001

Começamos com a minissérie em 3 edições de “Oráculo, a Cura”. Lindas capas de Guillem March.
Enquanto se estabelece num novo apartamento, Bárbara Gordon está procurando por maiores informações sobre a Equação Anti-Vida. Enquanto isso, ela faz valiosas reflexões sobre sua paralisia e o fato de que, tantos anos depois do crime cometido por Coringa, ela ainda sinta as pernas às vezes.
Ela conta com a ajuda de outra super-hacker apelidada de Demônio de Queijo. Elas encontram uma pista: um homem num jogo virtual parecido com Second Life diz ter o que falta para que o mistério da Equação Anti-Vida seja solucionado. Mas era uma armadilha.
Charles Babbage é o Calculador, e também está atrás da Equação Anti-Vida para acordar sua filha do coma. No jogo ele simula a representação em cristal dos fragmentos que encontra da Equação, antes de criar sua contraparte na vida real. Ele tenciona eliminar sua rival (Bárbara) de seu caminho, e faz isso usando sua amiga para atingi-la – de uma forma que não fica muito clara no arco, parece que as ações feitas ao avatar no jogo também acontecem com quem está controlando, baseado em algum sistema de estrondo sônico. Esse arco é um pouco confuso mesmo.
Fazendo vista grossa para alguns elementos que não se conectam, é interessante observar Oráculo em ação. Ela é realmente muito habilidosa, como nós sabemos. Vê-la em ação é excepcional. O Calculador acaba traçando uma rota até seu outro ajudante, Lary Rand – um rota mortal. E Bárbara Gordon é o próximo alvo. Tudo para encontrar a Cura para sua filha Wendy. Não importa quem morra no caminho.
Para quem gosta de alta tecnologia, esse arco será interessante. A arte peca em alguns momentos, a despeito das incríveis capas. E posso dizer que termina de uma forma um tanto quanto cruel.

Azrael: Cavaleiro das Trevas da Morte
(Azrael: Death’s Dark Knight, roteiro de Fabian Nicienza e arte de Frazer Irving, maio-julho de 2009)

LINE002

De antemão o nome na capa diz muito sobre a HQ: Fabian Nicienza, habilidoso roteirista de Asa Noturna e Robin.
Um justiceiro anuncia a um suposto tira à paisana que a justiça de Deus chegou a Gotham – amparada por uma espada de fogo, que é brandida na frente do refém. Ele serve a justiça de Deus. Jeitinho estranho esse de servir a Deus, decepando a cabeça dos outros com uma espada flamejante. Ele está a serviço de um padre, mesmo que para isso precise matar e encher sua alma de pecados. E ele carrega tantos… Como ter ajudado a matar Batman.
Nesse arco conhecemos a história de Henry Mitchell, um policial com um histórico conturbado e que perdeu todos os membros da família de maneira trágica. Um homem fragilizado… Um candidato perfeito. Você se lembrou desse nome? Caso tenha lido “Descanse em Paz”, se lembrará que ele foi um dos três policiais que participaram do programa secreto entre o exército e o DPGC para criar um substituto do Batman. E nesses três policiais o efeito desse treinamento foram devastadores, induziram os três a psicoses. Ele parece ser o único sobrevivente. O candidato perfeito.
Um novo Azrael.
Essas pessoas misteriosas alegam que um objeto chamado Manto das Lamentações foi roubado da bat-caverna. Então repassamos a história de Azrael como a conhecemos: um anjo de vingança da Ordem de São Dumas.
Azrael recebe a ordem de pegar o Manto das Lamentações que havia sido devolvido à bat-caverna. E ele fará isso. Para expurgar seus pecados. Para limpar sua alma para o caminho de Deus.

Comissário Gordon: Um Dia Frio no Inferno
(Battle for the Cowl: Companion – Commissioner Gordon: A Cold Day in Hell, roteiro de Royal McGraw e arte de Tom Mandrake, maio de 2009)

LINE003 Não é a toa que o Comissário Gordon é um dos meus personagens preferidos. Numa análise corrida e superficial, me arriscaria a dizer que ele é uma versão do Morcego com menos poder aquisitivo e militar.
Senhor Frio está mantendo Gordon refém. Como chegamos até aqui? Victor Fries tem essa mania de conseguir o que quer (o que fica fácil quando se tem uma arma congelante à sua disposição). E não obstante manter Gordon refém, Frio ainda faz terror psicológico com ele. Ele também sofreu muitas perdas em sua vida. Sua filha amada perdendo os movimentos das pernas e ficando presa numa cadeira de rodas para sempre, por causa de Coringa. Sua segunda esposa levando um tiro na cabeça, também de Coringa. E como se não bastasse, perdeu seu maior aliado, Batman. Quantas coisas mais ele pode suportar?
Sabendo disso, Frio quer dar uma lição em – um protocolo que vai congelar a cidade inteira. E isso será possível porque o seu maior protetor sumiu. A não ser que alguém com quase tanto poder de fogo quando Batman possa impedir. Alguém que sempre deu o sangue por Gotham. O senso de justiça de uma pessoa que representa o braço incorruptível da polícia da cidade.

Asilo Arkham: O Lugar Onde A Beleza Repousa
(Battle for the Cowl: Companion – Arkham Asylum #1: The Place Where Beauty Lies, roteiro de David Hine e arte de Jeremy Haun)

LINE004

Jeremiah Arkham está vendo os destroços do Asilo Arkham, agora reduzidos a um miserável edifício em escombros – o trabalho da sua vida, agora acabado. Ele decide andar pelo lugar para se certificar de que ninguém ficou preso nos entulhos. Ele sempre tratou seus presos com o máximo de humanidade possível.
Mas ele começa a visualizar os presos como se estivessem lá realmente… A loucura das paredes do Asilo Arkham atingiu o seu administrador? Ao longo desses anos, Arkham tem dançado à beira da loucura. Eles começam a acusar Jeremiah, questionando sua capacidade de gerenciar o manicômio.

Continuar lendo

#71 – A Ressurreição de Ra’s Al Ghul

“Eu tenho caminhado com a morte nas costas. Eu tenho me arrastado entre os restos sem carne… Sem corpo nas noites que não tem fim […] Eu vi muitas coisas. Mas eu voltei para casa. Sou Ra’s Al Ghul.”

Olá!
Vocês já se inscreveram no sorteio da HQ “Batman: O Cálice” que a Empório HQ e o Batman Guide estão fazendo? Não? Então clique aqui pra se inscrever!

A HQ de hoje é mais uma obra de Grant Morrisson, em parceria com Paul Dini e mais uma série de roteiristas. É uma saga bem interessante, e saiu em 10 volumes e uma edição adicional. Essa saga é importante para a cronologia de Ra’s Al Ghul, e será bastante apreciada por aqueles que se interessam pela Bat-família e pela construção da personalidade de Damian Wayne. Prepare-se para presenciar “A Ressurreição de Ra’s Al Ghul” (Batman: The Resurrection of Ra’s Al Ghul, dezembro de 2007 a fevereiro de 2008)!

Line
Na última HQ que postei aqui no blog, “Morte e as Donzelas“, nos deparamos com uma situação inédita nos últimos séculos: a morte de Ra’s Al Ghul. Desde que tomara conhecimento das atividades criminosas de Ra’s Al Ghul, que envolviam a morte de milhares de pessoas ao redor do mundo para seus fins megalomaníacos, Batman vinha lacrando os Poços de Lázaro – os locais onde Ra’s se reestabelecia nos períodos de fraqueza e que permitiam que estivesse vivo desde o tempo das Cruzadas. Ra’s interrompia, assim, o curso da natureza, a ordem correta de nascer, crescer, criar um legado e morrer. Batman se recusa a ceder qualquer Poço para Ra’s.
Ra’s estava debilitado e fragilizado demais. Ao ser esfaqueado por sua filha Nyssa, Ra’s Al Ghul morre.
001Começamos a HQ com um estranho sendo enfático com Talia: o seu filho Damian deve conhecer a história de seu avô Ra’s Al Ghul, diante de uma perigosa ameaça ao legado dele. Essa perigosa ameaça é Batman, como era de se esperar. O Morcego está estudando o desaparecimento de dois ecologistas ligados à Fundação Wayne, que no momento estavam pesquisando o ciclo de vida de uma espécie de mariposa. O comportamento das mariposas indicava a alteração do ecossistema local – elas estavam vivendo por mais tempo. Multiplicando em muitas vezes seu período normal de vida.
002Damian Wayne não se interessa nem um pouco pela história do avô – em suas sempre gentis palavras, “Por que eu ligaria pro que aconteceu com um velho morto?”. Ele é um garoto bastante insolente. Mas ainda assim, Talia rememora a trajetória de seu pai (já contada na história “O Nascimento do Demônio“) desde o casamento com Sora, o desenvolvimento dos Poços de Lázaro e o primeiro teste com o Príncipe do Reino – ao sair do poço ele enlouquece e mata Sora. Para Damian é tudo um monte de besteira inútil, até que sua mãe conta para ele como Ra’s al Ghul enganou a morte. Assim como em “Morte e as Donzelas”, temos uma perspectiva da vida de Ra’s Al Ghul ao longo dos séculos. Na Batalha de Waterloo, com as cortesãs de Napoleão. Em Whitechapel, na Inglaterra, terra dos assassinatos de Jack O Estripador.
003Em todas os momentos ele é acompanhado por seu ajudante Fantasma Branco, que o fala sobre regras determinadas há muito tempo atrás. Há uma maneira de enganar a morte, mesmo sendo destroçado membro por membro: possuir o corpo de outra pessoa.
De preferência, de um garoto saudável e forte.
004Batman encontra alguém que pode ajudá-lo a desvendar o mistério do desaparecimento dos ecologistas. Um homem velho. Muito velho. Ele está começando a descobrir o que se passa quando é atacado por 4 ninjas. Quem nós conhecemos que treina uma liga de ninjas? Alguém muito poderoso. Que está prestes a ressurgir, com o corpo de Damian.
Num primeiro momento, essa tentativa de roubar o corpo de Damian dá errado devido às habilidades de combate do menino, e ele e Talia conseguem fugir.
Batman está cada vez mais próximo das pistas que o levarão ao que procura. Ele já tem uma ideia. Ao interceptar um assalto planejado por Talia e suas irmãs, ele ouve a seguinte profecia: “A cabeça de demônio está voltando da tumba”.
E Ra’s Al Ghul vai ao encontro de Talia.
Morto desde a HQ “Morte e as Donzelas”, ele ressurge.
Como isso é possível? Como ele conseguiu vencer a morte? Que mecanismos permitem a sobrevivência da mente além da morte do corpo? Como se mata um demônio?

Ras
005O corpo em que Ra’s Al Ghul está envenenado com radiação, por isso possui um aspecto asqueroso e reptiliano. A carne o recusa, o rejeita, ele não sente dor, não sente a carne. Logo ela o expulsará, e ele nada mais será do que uma casca vazia e inerte. Por isso, ele precisa de fato do corpo de Damian, que contém seu próprio sangue e seu próprio DNA. Ao fazer essa proposta, o garoto fica indignado: “Você quer o meu corpo? Outra vez com essa merda? Como espera que eu reaja diante disso? Pareço-te um completo imbecil?” Ra’s fica irado com a ousadia de Damian, e afirma que exige dele nada menos do que “absoluta obediência”. Damian encerra a conversa: “Velho ranzinza. Meu pai te fará em pedaços… Quando eu lhe disser que você voltou.

Continuar lendo